…e não posso pois faço parte daquilo que vejo. Essa é uma das maiores mágoas que tenho comigo. Quando me afasto de tudo sempre acabo por concluir o quão patéticas minhas ações são em vista da insignificância de suas consequências. Pensar, por si só, não enche minha barriga e nem cuida daqueles que quero bem. Sou obrigado a ser uma pessoa, igual a tantas outras, e reconhecer que não sou algo especial como o espectador que tento ser.